Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Gilmar Mendes nega suspeição no caso do 'rei do ônibus' do Rio

Em coletiva, ministro do STF negou falta de imparcialidade após ter liberado dois habeas corpus para o empresário Jacob Barata Filho, 'o rei do ônibus no Rio'

Igor Gadelha e Altamiro Silva, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 12h20

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, evitou nesta segunda-feira se posicionar em relação a eventual novo julgamento pelo STF de autorização de prisão após condenação em segunda instância. 

"Vamos aguardar", limitou-se, ao responder questionamentos da imprensa sobre como se posicionará no futuro julgamento, em entrevista após participar do Fórum Estadão sobre Reforma Política. Na primeira análise sobre o tema no Supremo, em 2016, Mendes votou a favor de prisão após condenação em segunda instância.

Na entrevista desta segunda-feira, o presidente do STF também voltou a negar suspeição dele para julgar o habeas corpus por meio do qual concedeu liberdade ao empresário Jacob Barata Filho, preso desde 2 de julho em uma etapa da Operação Ponto Final. Mendes é padrinho de casamento da filha do empresário. "Não há suspeição", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.