Gilmar Mendes diz que não vai à CPI dos Grampos

Presidente do STF alega motivos institucionais, mas diz que poderá comparecer a comissões especializadas

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agencia Estado

11 de setembro de 2008 | 14h03

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou nesta quinta-feira, 11, que não vai falar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Grampos. Ele alegou motivos institucionais para recusar o convite. "Não devo comparecer à CPI. Em algum momento poderei ir a comissões especializadas. Mas a orientação do tribunal é de que nós não devemos comparecer a CPIs", afirmou Mendes, que teve conversas grampeadas. Veja Também:ESPECIAL:entenda o escândalo dos gramposProcurador Antonio Carlos Bigonha comenta decisão  Projeto que obriga informar à PF dados de escuta é aprovadoENQUETE:Penas mais severas vão inibir escutas?  O presidente do STF participou nesta quinta de um seminário em Brasília no qual é discutida a situação dos presos brasileiros. Para Mendes, toda a sociedade tem de se unir para resolver problemas carcerários graves, como a manutenção de pessoas em cadeias mesmo após elas já terem cumprido suas penas e longas prisões preventivas, que chegam a durar 5 anos. "Só deveria estar no sistema carcerário quem foi condenado em uma decisão definitiva ou alguém perigoso", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI dos GramposGilmar MendesSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.