Gilberto Mestrinho morre aos 81 anos

O ex-governador amazonense Gilberto Mestrinho morreu ontem, aos 81 anos, no Hospital Prontocord, em Manaus, em razão de complicações cardiorrespiratórias. Mestrinho estava internado havia mais de duas semanas por conta de infecção nos rins. O boletim oficial com a causa da morte ainda não foi divulgado. Ele sofreu uma parada cardíaca na manhã de ontem. A equipe médica tentou reanimá-lo, mas ele não resistiu.Mestrinho começou a carreira política na década de 1950 como prefeito de Manaus, numa época em que os chefes do Executivo municipal eram escolhidos pelos governadores. Foi três vezes governador do Amazonas e senador por uma legislatura, que terminou em 2007. Presidiu a Comissão Mista de Orçamento no Senado por três vezes consecutivas. Em 2006, tentou se reeleger senador, pelo PMDB, mas acabou ficando em terceiro lugar na disputa.Nos 17 dias que Mestrinho ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital, ele teve complicações nos pulmões e não melhorou o suficiente para receber alta dos médicos. O ex-governador lutava contra um câncer de pulmão. Um de seus filhos, João Thomé Mestrinho, contou que os médicos chegaram a dar uma previsão de alta, há duas semanas.Na última sexta-feira, no entanto, a enfermeira e assessora do ex-governador, Ivaneide Ramos, divulgou um boletim médico apontando uma "progressiva melhora, mas sem previsão de alta". De acordo com esse boletim, o Mestrinho estava consciente, lúcido e respondendo bem aos medicamentos.REPERCUSSÃO O presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou nota sobre a morte de Mestrinho, na qual elogiou a atuação "ímpar" do ex-senador. "Gilberto Mestrinho teve um papel de destaque como líder político do Amazonas. Sua atuação ímpar como senador, presidindo por três vezes consecutivas a Comissão Mista de Orçamento, deixou sua marca na história do Senado. Neste momento de profundo pesar, envio meu abraço de solidariedade a seus familiares e aos seus companheiros de atuação política", diz a nota de Lula.O senador José Agripino Maia (RN), líder do Democratas no Senado, afirmou que a morte do ex-governador do Amazonas foi uma perda importante para a política nacional. "Lamento sua morte. Foi-se um dos mestres da arte política no País", declarou ontem Agripino.O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio Netto (AM), lamentou a morte de Mestrinho, que foi seu colega de bancada no Senado. "Eu lamento a morte dele. Foi um grande aliado meu e de meu pai. Não se pode contar a história do Amazonas depois de 1956 sem falar de Mestrinho. Vou pedir uma sessão solene para ele no Senado", afirmou o senador.O velório de Gilberto Mestrinho foi realizado ontem no Palácio Rio Negro, antiga sede do governo do Amazonas. O enterro estava previsto para a manhã de terça-feira, no cemitério São João Batista. O ex-governador deixou a mulher Maria Emília e nove filhos. COLABOROU A SUCURSAL DE BRASÍLIA

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.