Gilberto Gil quer colaborar mesmo que saia do governo

A permanência de Gilberto Gil no Ministério da Cultura depende da decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas o ministro disse pretender colaborar mesmo que deixe de ser o titular da pasta. "É evidente que tenho vontade de continuar, mas tenho necessidades de dar atenção a outras áreas da minha vida", disse o ministro, que fez uma ressalva. "Mas há reavaliações, há possibilidade de que eu continue contribuindo, participando de outra forma, com outro desenho institucional."Gil passa esta semana no Rio, pois participa, desde domingo, de vários encontros com ministros da Cultura dos dez países do Mercosul, reavaliando a área cultural do organismo, que começou a funcionar há dez anos. No entanto, ele está atento à questão da permanência ou não no governo, embora o presidente Lula tenha declarado que não pretende tratar o assunto antes da eleição da mesa da Câmara Federal e do Senado. "Tenho tido a intenção de adiantar um pouco estas conversas no sentido de que a gente prepare o terreno para os encaminhamentos, com ou sem permanência minha, mas a agenda do presidente está muito cheia e considero a possibilidade de não encerrar meu trabalho no dia 31 (de dezembro) e continuá-lo até que o presidente decida", disse Gil, que deixa a escolha nas mãos de Lula. "É preciso conversar com o presidente e antes disso não posso ter nenhuma decisão tomada."Nesta terça-feira, a reunião de ministros da Cultura do Mercosul será ampliada com representantes da pasta de mais 30 países, que estarão na 9ª Rede Internacional de Política Cultural. Eles passam o dia em reuniões no Palácio Gustavo Capanema, sede do MinC no Rio, e vão à quadra da escola de samba Portela, em Madureira, zona norte, à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.