Gibi de Maurício de Sousa promove prefeito de Botucatu

Um gibi produzido pela equipe do cartunista Maurício de Sousa para a prefeitura da cidade causa polêmica e pode ir parar na Justiça, em Botucatu, a 230 km de São Paulo. O livreto de 36 páginas, destinado a alunos da rede pública do município, traz um jogo de caça-palavras para o leitor preencher com o nome do prefeito João Cury (PSDB). O jogo é ilustrado com uma caricatura considerada simpática do prefeito. O diretório municipal do PT alega que a publicação, paga pela prefeitura com dinheiro público, faz promoção pessoal do político e pretende recorrer à Justiça.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

10 de novembro de 2011 | 19h44

De acordo com o vereador petista Antonio Carlos Trigo, um requerimento será protocolado na Câmara pedindo informações sobre o folheto. O documento já foi subscrito pelos quatro vereadores do partido e o prefeito terá prazo de 30 dias para enviar a resposta. "Com base nas informações, vamos acionar o Ministério Público, pois parece ser caso de improbidade administrativa", disse. Esse é também o entendimento do presidente do PT local, Carlos César Ramos. "A prefeitura trouxe para a cidade o cartunista Maurício de Sousa e pagou R$ 273 mil pelo gibi. Está claro que o dinheiro foi usado para promoção pessoal, o que a lei não permite."

Além de jogos, o livreto "Almanaque Saiba Mais Botucatu" traz histórias com personagens dos quadrinhos de Sousa e, na contracapa, o brasão do município. De acordo com Ramos, o artigo 37 da Constituição Federal proíbe gasto com publicidade para promoção de ocupante de cargo público. Ele cita casos de governantes que perderam o cargo por essa irregularidade. O PT vai pedir ao Ministério Público que, se confirmada a infração à lei, o prefeito seja obrigado a devolver o dinheiro gasto ao erário, além de sofrer punições político-administrativas.

A prefeitura informou, através da Secretaria de Educação, que os gibis foram confeccionado pela editoria de Maurício de Sousa e distribuídos durante a Feira do Livro, realizada na cidade de 12 a 18 de setembro, com o objetivo de estimular o hábito da leitura. A nota informa que o nome do prefeito foi citado apenas uma vez entre as 36 páginas, com cerca de 84 quadrinhos, e que o jogo de caça-palavras com a caricatura estavam de acordo com o contexto informativo do gibi, "sem qualquer conotação de autopromoção". Segundo a Secretaria, o material distribuído cumpre o dever de prestar contas sobre os programas da prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.