Gestão Kassab opta por operações urbanas

Nos últimos quatro anos, a gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) apostou na criação de cinco operações urbanas para planejar o adensamento de espaços vazios e degradados de São Paulo, todos próximos da chamada rede de "transporte de massa" da cidade. Foram investidos até agora R$ 24 milhões em estudos que apontam terrenos ociosos em 250 km² da cidade, ou cerca de 17% do território.

DIEGO ZANCHETTA E RODRIGO BURGARELLI, Agência Estado

14 de agosto de 2012 | 10h18

O rumo tomado pelo atual governo teve como objetivo principal trazer a população para bairros centrais e ainda vazios ao longo da orla ferroviária. É o caso, por exemplo, da Barra Funda, na zona oeste, onde levantamentos apontaram a possibilidade de mais 60 mil moradores chegarem ao bairro. A região, apesar de ter estações de metrô e da CPTM, é ainda pouco habitada e cheia de galpões vazios.

Com o mercado imobiliário sem novos terrenos para investir, a gestão passou a planejar o povoamento de regiões antes pouco atraentes para o incentivo habitacional, como a Mooca, a Vila Sônia e a Lapa. Esses três bairros estão hoje com planos de revitalização em curso dentro da Prefeitura, com possibilidade de receber incentivos fiscais e conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida.

Pelos estudos em curso, o governo também planeja levar 15 mil moradores e comerciantes para a região hoje conhecida como cracolândia - menos de 2 mil famílias moram hoje na área. Batizado de Nova Luz, o projeto de revitalização do centro custou R$ 14 milhões.

Elogiados por especialistas em urbanismo, os planos em curso, porém, ainda não saíram do papel. A dúvida é se eles serão capazes de mudar a dinâmica da cidade, reduzir os deslocamentos e convencer o paulistano a deixar o carro em casa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.