Gestão do PT desperdiça dinheiro público, diz Serra

O prefeito de São Paulo, José Serra, potencial candidato do PSDB à Presidência da República, atacou as administrações petistas, tanto a federal quanto a da sua antecessora, Marta Suplicy. Segundo Serra, houve enormes desperdícios de dinheiro público na gestão petista da cidade e, para ele, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode também repetir este tipo de desperdício, caso siga o mesmo modelo administrativo de Marta."Isso (o desperdício) é generalizado em São Paulo, nos gastos com pavimentação, nas compras de leite, de oxigênio para hospitais, na canalização de córregos e para tapar buraco nas ruas", disse o prefeito, após inaugurar a unidade de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Fazenda do Carmo, em Cidade Tiradentes, zona leste da capital. "Se for o padrão municipal do PT o ´kit PT para a administração´, sem dúvida nenhuma há desperdício de dinheiro público também na administração federal", acrescentou.Mesmo com os ataques ao PT e o tom de campanha eleitoral da inauguração do AMA, Serra se recusou a falar sobre o processo de escolha da candidatura tucana à Presidência da República. Preferiu acusar o modo petista de governar. De acordo com Serra, o PT "tem despreocupação com os custos, com aquilo que se paga, por frouxidão na licitação, na melhor das hipóteses". "Não deve ser só incompetência administrativa, mas precisaria provar se houve má-fé. Agora, que é estranho o sobrepreço e o superfaturamento por todo lado, é estranho, sem dúvida nenhuma", analisou.Ele reiterou que sua análise era centrada na administração municipal que o sucedeu, pois não tem conhecimento minucioso dos gastos federais como tem da Prefeitura. "Há condições para reduzir os gastos da União", disse. Como exemplo, Serra disse que a administração dele gasta com pavimentação de ruas quatro a cinco vezes menos do que no governo anterior e que o preço médio do quilo do leite em pó distribuído aos estudantes do município, caiu de R$ 9, na administração Marta, para R$ 6, na atual. "É isso o que explica que a gente esteja fazendo mais e com o mesmo dinheiro", disse.O prefeito afirmou que a atual administração tem pago fornecedores em dia, o que estaria garantindo espaço para negociações de redução de preços. Esse mesmo princípio, segundo Serra, poderia ser aplicado na esfera federal. "Sem dúvida nenhuma poderá haver contenção de gastos (federais) porque a diminuição de custos não reduz o volume de obras e nem de realizações. Pelo contrário, você faz mais com cada real que se gasta."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.