Gestantes vão ganhar bolsa-alimentação

Grávidas, nutrizes e crianças de até seis anos de idade identificadas como carentes terão direito a uma bolsa-alimentação, um dos programas sociais da agenda do governo para o biênio 2001-2002, que deverá começar a ser paga a partir de junho, conforme previsão da coordenadora da área de alimentação e nutrição do Ministério da Saúde, Denise Coitinho. Assim como a bolsa-escola, lançada nacionalmente no início do ano, a bolsa-alimentação também pagará no máximo R$ 45,00 por família. O programa pretende atender 3,5 milhões de pessoas e tem gasto anual fixado em R$ 576 milhões.A bolsa tem duração de seis meses, mas pode ser renovada ao término de cada período se a pessoa cumprir com os compromissos exigidos pelo governo.Entre eles, fazer seis consultas durante o pré-natal, pesar e vacinar o bebê, estimular a criança e freqüentar cursos sobre cuidados com alimentação e outros que ensinam a evitar a agressividade com a criança e a combater os acidentes domésticos.Cada beneficiário terá uma conta aberta em seu nome e receberá um cartão para sacar o dinheiro. Denise Coitinho estima que os R$ 15,00 são suficientes para comprar, por exemplo, 6 quilos de arroz, 2 de feijão, 2 de abóbora e 3 de frango.Esse quantia corresponderia, segundo ela, a 70% das necessidades calóricas de uma criança, e a 50%, das gestantes e nutrizes. "É um auxílio, um reforço", ressalta a coordenadora, lembrando que a família também deve fazer a sua parte para garantir a sua subsistência.A triagem dos inscritos será feita pelos conselhos municipais de saúde. Cada município receberá uma cota de bolsas, calculada de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio (PNAD) e do IBGE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.