Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Gerdau diz que é contra novo imposto para Saúde

Para o empresário, País já tem carga tributária muito alta e deve 'esgotar melhorias de gestão' antes de considerar a criação de um novo tributo

Tânia Monteiro, da Agência Estado

23 Setembro 2011 | 14h31

BRASÍLIA - O empresário Jorge Gerdau Johannpeter defendeu nesta sexta-feira, 23, que não haja aumento de impostos no Brasil para financiar a área de Saúde. "A carga tributária do País já tem um nível que não deveria se estar pensando em novos impostos, ao contrário", disse Gerdau, após reunião da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade no Palácio do Planalto. Segundo ele, a Câmara tratou de três temas: saúde, justiça e Copa do Mundo.

Para o empresário, o País tem de aprender a gerenciar sem fazer aumento de carga tributária."Filosoficamente, eu sou contra qualquer tipo de aumento de imposto até que eu tenha condições de dizer assim: eu esgotei a minha melhoria de gestão", completou.

O empresário lembrou que a presidente Dilma Rousseff já se posicionou contra a criação de novo imposto, mas, lembrado de que a presidente disse que não basta gestão, precisa de dinheiro, Gerdau respondeu: "O aumento de geração de recursos dos tributos tem sido significativo pelo seu crescimento e desenvolvimento. Então, é preciso gerenciá-lo. E, filosoficamente, eu insisto, ainda mais este tipo de imposto que é cumulativo, que prejudica a competitividade do País, sou contra".

Diante da insistência dos jornalistas se achava que a saúde, então, não precisava de mais recursos no momento, ele respondeu: "É". E emendou: "Este tema de mais dinheiro para a saúde é complexo porque, se você analisar as reais necessidades de fazer um programa ideal de saúde, você gastaria um PIB brasileiro só com saúde. Então, é preciso fazer macropolíticas para atender melhor os mais necessitados e gerenciar o processo de busca de eficiência. Eu diria que, no momento, no meu entender, você não equaciona o problema da saúde sem definições e discussões quase estruturais."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.