Iara Morselli
Iara Morselli

Alckmin assume apelido de 'Chuchu' nas redes

No passado, até Lula, que hoje negocia uma chapa na corrida presidencial com o ex-governador de São Paulo, já usou a expressão 'picolé de chuchu' contra o novo aliado

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2022 | 17h14
Atualizado 11 de fevereiro de 2022 | 17h17

Provável candidato a vice-presidente na chapa do petista Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-governador Geraldo Alckmin brincou nas redes sociais e reconheceu o apelido de "chuchu" em publicação no Twitter nesta sexta-feira, 11. Seguindo a tendência em vídeo, ele apresentou outros nomes pelo qual também é chamado — entre eles, chuchu. 

O ex-governador paulista, egresso do PSDB, tem procurado "suavizar" sua imagem nas mídias sociais há alguns meses, com postagens bem-humoradas e adesão adesão a correntes, como a dos nomes. 

Em dezembro, por exemplo, Alckmin mencionou a especulação de seu nome na chapa de Lula. 

“Vocês ficam insistindo nessa história de vice. Vice pra lá. Vice pra cá. Sabe onde que eu sou vice há muito tempo? Lá em casa!”, escreveu, em publicação acompanhada da foto da esposa, Lu. Depois de o Estadão revelar que o ex-governador também é cotado para ser ministro da Agricultura num eventual governo petista, Alckmin postou um vídeo capinando em seu sítio. 

Em 2008, o ex-governador já havia dito que "leva na esportiva" o apelido de “picolé de chuchu”, na coluna de José Simão — foi o jornalista quem criou o apelido. Em 2014, o próprio Lula o chamou assim, em tom pejorativo. “Não é à toa que esse governador (Alckmin) tem apelido de picolé de chuchu, porque é uma coisa insossa, como comida sem sal”, disse o petista.

Ainda sem partido, Alckmin segue sendo o favorito para a vice de Lula. Na segunda-feira, 7, o senador Randolfe Rodrigues disse ao Estadão que o assunto está "praticamente resolvido": “Acho que Lula deveria apresentar uma coalizão ampla e acho que Alckmin pode cumprir esse papel”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.