Genro defende código de ética e diálogo com aliados

O ministro da Justiça, Tarso Genro, presente hoje ao 3ª Congresso Nacional do PT, sugeriu que o partido crie um código de ética e uma corregedoria próprios, para dar exemplo ao País e mostrar que aprendeu "as lições da vida" mais rapidamente que outras organizações. Ele destacou também o fato de Lula ter dito que a legenda deverá apresentar nomes "viáveis" para as eleições presidenciais de 2010. "Eu defendo que o PT tenha um candidato e apresente aos aliados, e que se discuta a melhor possibilidade, que poderá ser, eventualmente, fora do partido."Sobre o código de conduta e a corregedoria, Genro explicou que ações como estas serviriam para reduzir a possibilidade de repetição de erros. "Não basta apenas dizer que aprendemos." De acordo com Genro, qualquer comunidade, assim como os partidos, cometem erros, mas para ele é necessário criar mecanismos de repressão e controle para se evitar novas falhas.O ministro disse ainda ter ficado "absolutamente confortável" com as declarações de Lula, na manhã de hoje, sobre a necessidade de apuração dos fatos - embora sem referência direta ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que abriu ação penal contra os 40 denunciados no esquema do mensalão, incluindo nomes importantes do PT. "As pessoas que cometem irregularidades no exercício de funções públicas devem responder dentro do sistema legal. Foi exatamente o que o presidente disse hoje", comentou Genro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.