Genro critica pedido de impeachment

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, afirmou que o pedido de impeachment que está sendo estudado pelo PPS, e que foi defendido ontem, no plenário do Senado, pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), não tem racionalidade jurídica, nem fundamento ético ou político."Recebemos como um movimento dentro de um ano eleitoral. Mas não tem nenhum tipo de possibilidade de prosperar, porque seria profundamente estranho e degradante para a política brasileira se tentar a aventura de impedimento de um presidente que tem o acolhimento de quase 60% da população brasileira", afirmou Tarso, ao deixar a reunião do Conselho Diretor e Comitê Técnico do Observatório da Eqüidade do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.Segundo o ministro, um eventual pedido de impeachment também seria um atentado ao processo político democrático. "Mas os partidos têm o direito de falar sobre isso. É a regra do jogo democrático", ponderou. O ministro afirmou ainda que o governo não tem nenhuma estratégia para fazer um contra-ataque. "Achamos que o cerco político contra o governo está se esgotando por si mesmo", afirmou Genro, ao lembrar que o atual governo fez uma série de medidas que beneficiaram as classes sociais mais baixas. O ministro afirmou ainda que o governo quer dialogar com a oposição. "Queremos um clima eleitoral de respeito e civilidade e não fazer contra-ofensiva", disse o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.