Genoino sugere que radicais sigam o exemplo de Erundina

O presidente do PT, José Genoino defendeu hoje uma "separação amigável" entre o partido e radicais. Sem citar nomes, ele criticou as atitudes dos membros do partido que têm criticado o governo federal, como a senadora Heloísa Helena (AL) e os deputados federais João Batista Araújo, o Babá (PA) e Luciana Genro (RS). "A deputada Luíza Erundina (PSB) demonstrou caráter ao deixar o PT espontaneamente o partido há alguns anos", comentou Genoino, dando a entender que os parlamentares radicais deveriam fazer o mesmo. "Quando você faz parte de um clube e resolve entrar na Justiça contra esse clube, é sinal de que você quer sair e formar um outro grupo", declarou. Segundo ele, os radicais não querem uma separação amigável. "Eles querem sangrar o partido."Genoino firmou que a executiva do PT se reunirá no dia 12 de maio para analisar a atitude dos membros radicais, e poderá encaminhar um pedido de punição ao diretório do partido, que terá uma reunião em junho. Ele participou hoje da festa do Dia do Trabalho, organizada pela CUT no Paço Municipal de Mauá. O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), seguiu a mesma linha de raciocínio de Genoino é também defendeu uma separação amigável dos radicais com o partido. "Só fica no PT quem tiver compromisso com as propostas do partido", disse Mercadante, que participou nesta das comemorações do 1º de Maio em Ermelino Matarazzo, na Zona Leste de São Paulo. "O PT já teve separações amigáveis e alianças que voltaram a ser firmadas posteriormente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.