Genoino rejeita denúncia e diz ter vida honesta

Único dos 5 deputados do escândalo a ir à tribuna, ele afirma que enfrentará processo ?de cabeça erguida?

Denise Madueño, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2030 | 00h00

Brasília - No dia seguinte à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de processar 40 denunciados no esquema de mensalão, o deputado José Genoino (PT-SP) foi à tribuna da Câmara para se defender. No discurso, em que lembrou sua trajetória política e de ex-guerrilheiro, o deputado negou ter praticado crime e disse não aceitar a denúncia de corrupção nem de a ter integrado quadrilha. Genoino, o único dos cinco deputados processados pelo STF que foi ao plenário se defender, afirmou que vai enfrentar o processo "de cabeça erguida". O presidente do PT, Ricardo Berzoini, disse que os ministros do STF escolheram o caminho "mais cômodo" de abrir os processos para depois verificar se há provas. Em um plenário quase vazio, Genoino disse que tem a segurança e a tranqüilidade de quem teve uma vida honesta e contou que possui o mesmo patrimônio há mais de duas décadas. "As únicas coisas que tenho na vida são sonhos, idéias e causas. Meu patrimônio é o mesmo há 24 anos. Minha família mora em situação de dificuldade. Não posso aceitar denúncia de corrupção ativa, muito menos a de integrar quadrilha." "Não me formei, porque optei por lutar contra a ditadura e não virei doutor. Fiquei 20 anos como deputado federal, mas minha renda não aumentou. Fui para a guerrilha do Araguaia, na qual coloquei minha vida em risco e em razão da qual fiquei 5 anos preso. Hoje, como deputado federal no sexto mandato, não tenho patrimônio, a não ser um sobrado em São Paulo, em uma área popular, onde mora minha família." Em sua defesa, Genoino disse que, como presidente do PT, avalizou empréstimos registrados na contabilidade do partido e que estão sendo pagos. "Participei sim de acordos políticos e alianças eleitorais, mas jamais recebi qualquer benefício pessoal, nem ofereci qualquer vantagem a ninguém", discursou. "Participei, sim, da direção do partido, mas ela não era quadrilha nem associação criminosa", afirmou. Os deputados também denunciados João Paulo Cunha (PT-SP), Paulo Rocha (PT-PA), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT) registraram presença em plenário, mas não discursaram.MASSA DE PÃO "Conhecendo a história das pessoas como conheço, não tenho razão para não acreditar nelas", afirmou Berzoini, em defesa dos petistas processados. "O PT sempre lutou para viabilizar seu crescimento e sempre apanhou. Mas o PT é igual massa de pão, quanto mais bate, mais ele cresce." Para ele, muitos ministros do STF deram seus votos sem convicção de condenação. "Acredito que o tribunal optou pelo caminho mais cômodo, que é o de abrir o processo para verificar se há provas'''', afirmou. Questionado se considerava que os ministros do Supremo jogaram para a platéia ao aceitar a denúncia contra os 40 acusados do mensalão, Berzoini respondeu que sim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.