Genoino prevê dificuldade para aprovar mínimo no Senado

O presidente nacional do PT, José Genoino, acredita que o salário mínimo de R$ 260 será aprovado no Senado, porém com mais dificuldade do que na Câmara. Segundo ele, existem razões econômicas, orçamentárias e políticas para a bancada do PT votar o reajuste do novo mínimo. "Vamos conseguir a aprovação no Senado com mais trabalho porque lá a oposição é mais forte", previu em entrevista ao Portal do PT.Genoino ressaltou que o partido lutará para que a bancada petista na Casa vote unida com o governo a MP do novo mínimo. "Primeiro porque isso ajuda essa tendência consistente de recuperação econômica do País. Depois, porque no Orçamento as prioridades estão colocadas de forma transparente". O petista salientou que o governo e a legenda continuarão priorizando projetos sociais como habitação, reforma agrária e investimentos produtivos. Também ressaltou o comprometimento do governo em saldar a dívida com os aposentados. Ele previu que projetos como a Parceria Público-Privada (PPP), a Lei de Falências e a biossegurança serão aprovados antes do recesso branco.Genoino classificou de "correta" a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de enviar tropas do Exército para Minas devido à greve das forças policiais do Estado. "Acho que a decisão do presidente Lula em Minas Gerais foi correta ao atender a um pedido do governador (Aécio Neves) para garantir a ordem democrática", comentou. "Pessoalmente sou contra greve de polícia porque é uma instituição do Estado, tem uma função decisiva para as pessoas e por isso deve ter um tratamento salarial diferenciado", completou.Sobre a questão de segurança no Rio, o petista disse que as Forças Armadas devem ter atuação auxiliar no Estado sem assumir a linha de frente. "O que está sendo encaminhado ao Rio de Janeiro tem de ser executado, isto é, a viabilização do Sistema Único de Segurança Pública", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.