André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Genoino é página virada', diz Alves

Presidente da Câmara afirmou que o ex-presidente do PT é querido na Casa, mas defendeu a abertura do processo de cassação em cumprimento ao regimento interno e à Constituição

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

04 Dezembro 2013 | 14h21

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), saiu nesta quarta-feira, 04, em defesa da Mesa Diretora da Casa sobre a possível abertura de processo de cassação contra o petista José Genoino que, diante da pressão, renunciou ao mandato parlamentar. Sobre o  assunto Genoino, Alves disse que era "página vidara".

"Nessa hora tem que ser como eu fui. O Judiciário determinava a perda automática, eu só formalizaria. Eu discordei, porque na nossa interpretação a Constituição não diz isso. Eu desagradei naquele momento alguns, agradei a outros, mas não é essa a preocupação, a preocupação é cumprir o regimento e a Constituição. Foi isso que fiz, não prazerosamente, mas responsavelmente", justificou o peemedebista.

Mais cedo, o líder do PT e irmão de Genoino, José Guimarães (CE), não escondeu a mágoa após o episódio e declarou que, ao renunciar, o ex-deputado teve "um gesto grandioso, talvez maior do que alguns membros da Mesa".

Alves insistiu no discurso de que teve de cumprir o regimento. "É uma situação difícil para o Partido dos Trabalhadores, Genoino sempre foi uma figura muito querida não só por eles, mas por essa Casa. Eu entendo as dificuldades do momento, mas a presidência da Câmara tem ônus e tem bônus. Tem o prestígio, mas tem o ônus de tomar decisões que nem sempre agrada a todos", disse.

"Não é uma situação agradável, confortável, mas eu tenho que cumprir meu dever e a Constituição. Esse assunto se encerra", afirmou Alves.

Mais conteúdo sobre:
mensalão Genoino renúncia Henrique Alves

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.