Genoíno diz que situação do governo é grave

O deputado federal José Genoíno (PT-SP), virtual candidato do partido ao governo paulista em 2002, afirmou hoje que a denúncia de corrupção no governo, trazida pela revista Veja, é a pior de todas as denúncias surgidas até agora. Segundo Genoíno, ela atinge o coração do governo, que é a equipe econômica. "Na minha opinião, o governo querer abafar e dizer que essa é uma notícia requentada é o pior caminho", disse Genoíno. Ele lembrou ainda que esse escândalo atinge um área muito sensível, que é o mercado financeiro. "O próprio governo deveria ter interesse de esclarecer essa situação e investigar o que houve com os bancos Marka e FonteCindam, até para que não haja dúvida sobre a autoridade da equipe econômica." Para Genoíno, a retomada do processo de instalação de uma CPI mista é o que de mais suave pode ocorrer, diante da gravidade da denúncia. Genoíno afirmou que amanhã o PT e os partidos da oposição devem se reunir para discutir que medidas serão adotadas. "A situação é muito grave, a cada semana que passa esse governo está se afundando e não se preocupa com o nosso País, é apagão de um lado, denúncia de corrupção do outro, isso é nitroglecerina pura", afirmou. O deputado petista aconselhou o governo e, em particular o PSDB, a ter mais "juízo" ao invés de passar todo o tempo atacando a oposição. Em relação a votação, na próxima quarta-feira, do relatório do senador Saturnino Braga (PSB-RJ), no Conselho de Ética, Genoíno acredita que será dada a pena máxima aos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF). "Com voto aberto e a consistência do voto do senador Saturnino Braga, se eles não renunciarem, será aprovado o pedido de cassação", disse Genoíno. Os dois senadores participaram da violação do painel eletrônico do Senado. Em relação à vitória, nas convenções realizadas neste final de semana no PMDB, dos grupos que apoiam o ex-governador Orestes Quércia (SP) e o atual governador Itamar Franco (MG), Genoíno afirmou que já era previsível essa situação. "Considerando o desgaste da ala do PMDB que apoia a aliança com o presidente Fernando Henrique Cardoso, já era previsível a vitória. Agora, os desdobramentos dela, temos que esperar para avaliar com mais profundidade", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.