Genoino diz a revista que irá lutar 'até quando puder'

José Genoino, ex-presidente do PT e condenado a prisão pelo STF no processo do mensalão, disse, em entrevista exclusiva à revista IstoÉ desta semana, que quando chegou ao presídio da Papuda, em Brasília, na última sexta-feira, teve a mesma sensação de quando foi detido por agentes da ditadura militar em 1968 e em 1972. "Vieram à minha cabeça imagens terríveis de quando fui preso durante a ditadura. Mesmo com o tratamento digno e sério dos funcionários do sistema prisional, a sensação de estar sendo preso injustamente é a mesma".

EQUIPE AE, Agência Estado

22 de novembro de 2013 | 22h01

Ele reafirmou também a sua inocência: "fui condenado por corrupção sem nunca ter mexido com dinheiro". Segundo ele, está preso porque era presidente do partido. "Isso faz de mim um preso político", afirmou.

Indagado como ele encarava o futuro, Genoino diz que irá lutar "até quando puder" por sua inocência e "por um Brasil justo, soberano e democrático". "Cumpro as decisões da Justiça com indignação", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
MensalãoGenoinoentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.