Genoino defende que PPP seja priorizada pelo Congresso

O presidente nacional do PT, José Genoino, voltou a defender hoje que a Parceria Público-Privada (PPP) seja priorizada nas votações que o Congresso deve realizar antes das eleições municipais. "É fundamental que antes das eleições a gente priorize dentro da agenda do Congresso o projeto da PPP. É um projeto decisivo para dar segurança ao investimento privado em áreas estratégicas para o desenvolvimento do País", disse o dirigente petista, em entrevista concedida ao portal do partido na internet.Quanto ao futuro da CPI mista do Banestado, Genoino afirmou que a comissão precisa voltar ao seu "leito inicial", que é investigar a lavagem de dinheiro e as remessas ilegais, desconsiderando a quebra de sigilo em bloco e preparando um "bom relatório", que contribua para o avanço na fiscalização. "É errado quebrar sigilo em bloco. Você quebra sigilo quando há indícios consistentes de irregularidades", observou o presidente do PT, em mais uma crítica à presidência da CPI, coordenada pelo senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT).Sobre as acusações de que o governo federal estaria privilegiando prefeituras comandas pelo PT com o alongamento do prazo das dívidas municipais, Genoino descartou esta possibilidade, destacando que o governo Luiz Inácio Lula da Silva tem negociado com os governadores e todas as prefeituras.Em relação ao início do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão, o presidente do PT disse que as campanhas do partido estão se destacando pelo nível e pelo direcionamento aos temas municipais, sem menosprezar a "necessidade de defender o governo Lula" e o estilo tradicional de campanha, realizada pela militância petista por meio de caminhadas e comícios."A TV é importante, mas o PT não pode deixar de lado esses métodos tradicionais. Por outro lado, com as limitações orçamentárias de nossas campanhas, o PT não pode ficar só dependendo de campanhas na TV e do visual. Tem de ir para a rua", afirmou Genoino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.