Genoíno critica quebra de sigilo em bloco

O presidente nacional do PT, José Genoíno, fez coro ao relator da CPI do Banestado, José Mentor (PT), que determinou a suspensão das investigações e a indisponibilidade de diversos documentos. Genoíno disse que é mais importante a CPI se ater às investigações que geraram a CPI, em 2003. "Não se pode quebrar sigilo em bloco, sem ter os indícios de irregularidades. Acho que o erro foi erro foi quebrar tantos sigilos em globo. Acho que essa quebra de sigilo tem que ser lacrada, praticamente anulada do ponto de vista de investigação e nós cuidarmos daquelas investigações que geraram o início da CPI", disse. O ex-deputado federal esteve em Curitiba na noite de sábado, onde acompanhou o candidato do PT à prefeitura, Ângelo Vanhoni em um comício na periferia, junto com o governador Roberto Requião (PMDB), que apóia a candidatura petista. Genoíno aproveitou para defender seus colegas de partido, que chegaram a ser suspeitos de vazarem informações sobre a CPI. "Ninguém do PT vazou nada. O PT tem a total confiança nos seus membros. Ninguém vazou nada, nem o Mentor que é o relator. Ele tem tido uma postura muito discreta e séria. É estranho que todos os grandes vazamentos tinham entrevista do presidente da CPI do lado", disse referindo-se ao presidente da CPI, senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.