Genoino comemora aprovação da Comissão da Verdade

O assessor especial do Ministério da Defesa, José Genoino, comemorou hoje a aprovação de ontem, pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, da Comissão da Verdade, que investigará graves violações de direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988. "O dia de ontem é para ser comemorado", afirmou. "Tivemos a aprovação da Comissão da Verdade, a solução para a questão dos royalties do pré-sal e a redução da taxa de juros pelo Copom", disse Genoino, antes de participar do seminário "Oportunidades da Indústria de Defesa e Segurança para o Brasil e a Região do ABC", organizado pela Prefeitura de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agência Estado

20 de outubro de 2011 | 10h23

Genoino afirmou que o ministro da Defesa, Celso Amorim, se encontrou ontem, em Paris, com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, para discutir a necessidade de reaparelhamento da frota de caças da Força Área Brasileira (FAB). "É consenso que a frota de caças Mirage precisa ser renovada, já que a vida útil deles termina até 2014", afirmou. "Um país com dimensão continental como o nosso, e ainda mais agora, com as descobertas de petróleo do pré-sal, precisa de uma frota de aviões moderna para fazer a defesa do território nacional."

A criação da Comissão da Verdade foi aprovada ontem pela CCJ e o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), vai pedir que o projeto tramite agora em regime de urgência, seguindo diretamente para o plenário. O texto aprovado prevê que a comissão poderá requisitar informações a órgãos públicos, convocar testemunhas e determinar a realização de perícias. A investigação, no entanto, não servirá para punições de casos protegidos pela Lei da Anistia.

Tudo o que sabemos sobre:
José GenoinoComissão da Verdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.