Gênio da vela, Blake era apaixonado pela natureza

Peter Blake, o velejador morto na noite de ontem por assaltantes, no Estado do Amapá, é uma figura única no esporte. Esse neozeolandês de 53 anos, nomeado pela rainha Elizabeth II Cavaleiro do Império Britânico, venceu tudo o que podia dentro do mar ? incluindo America´s Cup e a Volvo Ocean Race. Único homem a completar a volta ao mundo num veleiro em 74 dias, 22h, 17 minutos e 22 segundos, Blake era considerado por conhecedores do esporte como sendo o único que teria condições de bater o próprio recorde.No ano passado, decidiu que iria parar com as competições e navegar pelo mundo com um grupo de pesquisadores. A bordo do ?Seamaster?, um veleiro de 36 metros de comprimento, Blake viajava com 14 cientistas que exploravam as características de flora e fauna em cada parada. Viajava com a ?Blakexpedition? também uma equipe de TV que registrava as imagens das aventuras e as transformava em documentários.A Expedição Blake percorreu os principais ecossistemas aquáticos do mundo, promovendo uma campanha pela preservação das águas e testemunhando as mudanças no planeta. "Tenho viajado pelos pontos mais críticos do planeta para registrar as mudanças relacionadas ao aquecimento global, qualidade da água, presença de resíduos e abundância de espécies e, em todos estes anos, testemunhei alterações significativas nos oceanos, que são o ´barômetro´ da devastação ambiental", disse o navegador, em entrevista concedida à jornalista da Agência Estado Liana John, em setembro. "Estive sobre geleiras, que nunca antes haviam sido pisadas ou mapeadas, na Antártida e, agora, voltando lá este ano, verifiquei que geleiras de 20 milhas naúticas de comprimento e 1 milha de largura, por 100 metros de profundidade, estão derretendo em um mês". Mesmo sendo um dos três embaixadores do meio-ambiente das Nações Unidas, Blake não pretendia fazer ciência. ?Não somos uma expedição científica. Nosso objetivo é atingir o cidadão comum médio?. ?Essa é uma luta para conscientizar o mundo de que o meio ambiente é o nosso maior bem,? disse.Sobre a Amazônia, seu destino final, Blake acreditava ser ?um privilégio do Brasil ter uma região como esta em seu território?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.