Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

General Oswaldo Ferreira será presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares

Órgão é vinculado ao Ministério da Educação e gerencia hospitais universitários federais; Ferreira é um dos conselheiros de Bolsonaro e recusou convite para assumir Ministério da Infraestrutura

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2018 | 20h17

BRASÍLIA - Depois de recusar o Ministério de Infraestrutura por motivos pessoais, o general da reserva Oswaldo Ferreira será nomeado presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). Criada em 2011, a empresa é vinculada ao Ministério da Educação e tem como principal atribuição o gerenciamento de hospitais universitários federais.

Ferreira foi um dos principais conselheiros da campanha de Jair Bolsonaro à Presidência da República e comandou, juntamente com o general Augusto Heleno, o chamado “Grupo de Brasília”, que reuniu militares durante a campanha e na transição. Ele foi o responsável por elaborar estudos e planos na área de infraestrutura e era o mais cotado para assumir o ministério, mas não aceitou o convite alegando questões pessoais.

O general disse que aceitou o convite pelo caráter técnico do posto. “É um cargo em nível totalmente técnico. Nossa missão é melhorar a gestão da empresa, que passa tanto por aumentar a resolubilidade dos hospitais e de melhorar a parte do ensino, tornar mais eficiente a formação dos profissionais de saúde como um todo”, afirmou.

O convite foi feito pelo futuro ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, que queria um militar na empresa. Após conversar com o ministro, Ferreira disse que não tem planos de privatização para o setor, mas de melhoria de eficiência e gestão nos mais de 40 hospitais universitários gerenciados pela empresa. Ele ressaltou que o atendimento nessas unidades de saúde é um dos braços do SUS e que a EBSERH comanda mais de 9 mil leitos, com 320 mil internações e 23 milhões de consultas por ano. A empresa foi criada após recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU) para centralizar a gestão dos hospitais universitários.

Aos 64 anos, Ferreira foi para a reserva há pouco mais de um ano depois de comandar o Departamento de Engenharia e Construção do Exército, que ganhou prêmio de gestão do Tribunal de Contas da União (TCU) em 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.