General das tropas de paz no Haiti não crê em rápido desarmamento da população

O comandante da força militar da ONU no Haiti, o general brasileiro Augusto Heleno Ribeiro Pereira, não acredita na possibilidade de desarmar a população a curto prazo. Ele afirma que é ?impossível? reverter em poucos meses um processo de armamento que levou mais de 20 anos. ?O desarmamento será conseqüência direta de uma nova perspectiva de vida para o povo do Haiti. Não acredito em desarmamento se o país se mantiver na situação que está hoje: com sua infra-estrutura completamente comprometida?, diz. O general ainda cobrou o início da ajuda humanitária da ONU. Até hoje não há programas de distribuição de água ou alimentos para a população. A maior parte do país não tem água tratada e sistema de esgoto. ?Essa é uma cobrança que a gente tem feito, porque o desgaste da tropa na rua, patrulhando, é evidente. A população gosta de ver os soldados, mas começa a cobrar a necessidade de sentir o trabalho da força de paz?, afirma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.