Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Geddel diz que não há 'nenhum constrangimento' sobre pedidos de prisão

Na manhã desta terça-feira, 7, foram divulgadas as informações de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF a prisão de Renan Calheiros, Eduardo Cunha e José Sarney

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2016 | 17h25

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, evitou comentar os pedidos de prisão de caciques peemedebistas feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal. Ao deixar a reunião com líderes da Câmara, Geddel afirmou que não tinha "nenhuma avaliação" e que os pedidos não causavam "nenhum constrangimento". 

Janot pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador e ex-ministro do planejamento de Temer Romero Jucá (PMDB-RR) e do ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), por tentativa de barrar a Operação Lava Jato. As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo, nesta terça-feira, 7. 

Questionado sobre a situação de Jucá, que deixou o ministério do Planejamento para dar esclarecimentos e afirmou que voltaria ao governo, Geddel disse que "não acha nada". "Estou aguardando os desdobramentos dos acontecimentos para eu poder achar alguma coisa", disse.

A postura de Geddel é semelhante à do ministro da casa Civil, Eliseu Padilha, que mais cedo evitou comentar o assunto. "Em um outro momento, talvez [comente os pedidos]. Agora, aqui, Olimpíada. Só quem pode responder é o Dr. Janot, ele sabe por que fez, o que fez, o que escreveu e o que pediu. Eu não sei nada", disse, após coordenar reunião ministerial para tratar dos Jogos Olímpicos. 

Questionado sobre as implicações dos pedidos para o governo, Padilha respondeu: "Não sei nada, absolutamente nada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.