Gaudenzi diz que não vai tolerar ilegalidades na Infraero

O novo presidente da Infraero, SérgioGaudenzi, afirmou nesta segunda-feira que não irá compactuarcom qualquer ilegalidade e admitiu a hipótese de convocar oTribunal de Contas da União (TCU) a examinar os contratos dainstituição a priori para garantir a lisura dos processos. "Se existirem irregularidades, evidentemente o TCU vaifazer um trabalho de prospecção e apontar o rol deirregularidades. Não vamos compactuar com qualquerirregularidade. Vamos fazer um trabalho dentro da legalidadecom a pressa que se necessita", disse Gaudenzi a jornalistas,ainda antes de tomar posse na segunda-feira. "Havendo pressa, podemos até recorrer a expedientes nãousuais como pedir para que o TCU nos acompanhe todo o tempo,desde o início", completou. Gaudenzi disse que se dedicará a fazer com que as trêsprincipais instituições do setor aéreo -- Comando daAeronáutica, Infraero e Agência Nacional de Aviação Civil(Anac) -- trabalhem em harmonia. Em 10 meses de crise, o descompasso entre os três órgãosficou evidente e chegou a ser criticado pelo antecessor deGaudenzi, brigadeiro José Carlos Pereira. "Preciso que os três órgãos se entendam bem", disseGaudenzi, acrescentando que usará para tanto sua experiênciaadministrativa na presidência da Agência Espacial Brasileira. "Quando cheguei à agência, também havia um certodesentendimento entre os órgãos executores, Inpi (InstitutoNacional de Pesquisas Espaciais) e CTA (Centro TécnicoAeroespacial). Hoje, eles trabalham muito bem". Gaudenzi disse que tem carta branca do ministro da Defesa,Nelson Jobim, e que apesar da experiência política, suaindicação também é técnica. O novo presidente da Infraero afirmou que a recomendaçãoprincipal de Jobim é de "foco total" na segurança, e reclamouda falta de informações aos passageiros nos aeroportos, queixafeita anteriormente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Eu como usuário de aeroporto não fico satisfeito com aprestação do serviço. Tenho que trabalhar para que estaprestação melhore muito. É preciso que o passageiro receba asinformações", disse Gaudenzi. REFORMA DE GUARULHOS Nelson Jobim afastou a realização de uma reformaemergencial na pista principal de Guarulhos e optou por umareforma definitiva "o mais rápido possível", informou o site doMinistério da Defesa. A obra será realizada em três etapas, começando por umacabeceira de cada vez, o que deixará o restante da pista abertapara pousos e decolagens. A reforma do trecho central estáprevista para março de 2008, quando a pista terá que serfechada e os vôos transferidos para o aeroporto de Viracopos,em Campinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.