Gate apura se artefato achado no Fórum é bomba

O tenente-coronel Nelsohoner, comandante do 19º Batalhão da Brigada Militar e comandante da segurança no Fórum Social Mundial de Porto Alegre, informou nesta segunda-feira que o artefato encontrado em um banheiro masculino do terceiro andar do prédio da Pontifícia Universidade Católica (PUC), onde acontece o evento, continha sinais de metal e de corrente elétrica. De acordo com o militar, com esses dados não é possível afirmar que se tratava de uma bomba. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) é quem vai informar se o artefato poderia ou não explodir. Foi grupo especial que examinou o pacote encontrado sobre o vaso sanitário no banheiro da universidade. O tenente-coronel afirmou que, caso seja uma bomba, a explosão poderia destruir parte do segundo e terceiro andar do prédio. Ele informou ainda que sobre o pacote encontrado por uma faxineira havia um bilhete com a seguinte frase: "Aqui tem uma bomba relógio". O tenente-coronel disse que a rotatividade de pessoas é muito grande e isso dificulta a identificação de suspeitos. Apenas o Gate dará a palavra final sobre se o pacote continha mesmo uma bomba.Veja o especial sobre os Fóruns de Davos e Porto Alegre

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.