Gastão Vieira explica declaração sobre ser 'genérico'

O deputado Gastão Vieira (PMDB-MA), indicado ontem para ocupar o ministério do Turismo, esclareceu hoje as declarações dadas mais cedo em entrevista à rádio Estadão ESPN de que não se considera um ministro genérico. "Eu não sou genérico porque não sou aquilo que serve para qualquer doença. Eu tenho imensa capacidade de ouvir a equipe técnica", disse Vieira ao chegar para o Fórum Nacional do PMDB.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

15 de setembro de 2011 | 16h02

Questionado sobre as prioridades que a presidente Dilma Rousseff lhe pediu à frente do Turismo, ele disse que o pedido foi para que ele cuidasse "prioritariamente" dos eventos ligados à Copa do Mundo. Ele explicou, no entanto, que apresentou, durante a conversa com a presidente, a proposta de um programa na área de educação para formação de mão-de-obra bilíngue e também sugeriu um entendimento entre os ministérios do Turismo, da Agricultura e a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) para que, juntos, os três fizessem um projeto de geração de empregos dentro do Programa Brasil Sem Miséria.

Indagado sobre se a sua ligação com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), diminuía a presença dele no ministério, Vieira disse: "Absolutamente não. Sou ligado a família Sarney há muito tempo, mas Sarney nunca me impôs nada. Tenho objetivos muito claros na minha cabeça."

Mais conteúdo sobre:
TurismoGastão Vieiragenérico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.