Garotinho pode ser vice de Ciro

Uma articulação envolvendo ogovernador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PSB), o ex-prefeito Luiz Paulo Conde e o PTB liderado por Roberto Jefferson(RJ) na Câmara pode dar novo impulso à candidatura do ex-ministro Ciro Gomes (PPS) à sucessão do presidente FernandoHenrique Cardoso.Os três tomaram café da manhã juntos nesta segunda-feira. Em pauta, uma composição que pode pôr Garotinho na vice de Ciro em 2002, abrindo espaço para uma dobradinha entre Condee Rosinha, mulher do governador, para o Palácio da Guanabara.Segundo um cardeal da política fluminense, Garotinho abriu a conversa com sua pretensão de candidatar-se ao Palácio doPlanalto pelo PSB.Mas as ponderações de Jefferson, em favor do compromisso do PTB com a candidatura Ciro e do palanqueforte que ele pretende montar para o PPS no Rio, mexeram com o governador.A articulação abre espaço para duaspossibilidades. Rosinha pode compor com Conde, candidatando-se a vice-governadora. Mas também ficou aberta a possibilidadede ela própria sair candidata ao governo, em uma dobradinha com Conde para o Senado.?Temos muitas possibilidades, e a dobradinha Ciro/Garotinho é sensacional?, insistiu Jefferson na conversa, em defesa de umacomposição mais ampla, uma vez que o PTB já tem candidato para o primeiro turno da corrida presidencial e, a seu ver, commuito boas possibilidades de chegar ao segundo tempo da disputa.Mais do que isto, Jefferson tem a seu favor o fato de acandidatura de Garotinho ao Planalto não ser pacífica nem mesmo dentro do PSB. Tanto é assim, que o senador Saturnino Braga (PSB-RJ) anunciou nesta segunda-feira seu desligamento do diretório nacional do partido,inconformado com a decisão da cúpula de trabalhar o nome de Garotinho na corrida presidencial de 2002.Saturnino defende umacomposição mais ampla do PSB com os partidos de esquerda e classifica a candidatura Garotinho como ?um oportunismoeleitoreiro para buscar votos dos evangélicos?.As conversas em torno da dobradinha PTB-PSB no Rio são um golpe político duro na articulação que vinha sendo conduzidapelo prefeito César Maia para beneficiar a candidatura do ministro tucano da Saúde, José Serra, em 2002.Maia desligou-se doPTB ontem à tarde, depois de ter sua expulsão assinada logo cedo pelo próprio Jefferson. Os petebistas fluminenses e nacionaisnão se conformam com o fato de ele ter procurado o PFL, depois de trocar o secretário de Saúde do município.Maia demitiu Sérgio Arouca (PPS) da secretaria, para dar o posto ao deputado tucano Ronaldo César Coelho (RJ), partidário dacandidatura Serra. ?Foi um sinal claro de que ele não quer o Ciro candidato?, avalia um dirigente nacional do PTB.Segundo estecardeal petebista, todo este movimento político pode ser anulado com a parceria PTB-PPS no Rio. ?Teremos aí um vice populardo Centro-Sul para um belo candidato do Nordeste, uma combinação política com força e charme que vão mexer muito no cenárioda disputa?, aposta o cardeal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.