Garotinho é reeleito presidente do PMDB do Rio

O ex-governador do Rio Anthony Garotinho foi reeleito no domingo último, 18, para a presidência do diretório estadual do PMDB. A convenção contou com a presença de metade dos 563 delegados do partido, que renovaram as 71 cadeiras do diretório, mas o governador eleito, Sergio Cabral Filho (PMDB) não compareceu. Atravessando relações conturbadas com Garotinho, Cabral já tinha declarado na semana passada que se manteria afastado da eleição da direção do partido. Não votou em Garotinho, mas também não apresentou um candidato de oposição. A executiva estadual do PMDB, liderada por Garotinho, foi eleita em chapa única pelos membros do diretório com apenas quatro votos em branco e duas abstenções. A recondução do ex-governador para mais um mandato de mais dois anos é um sinal de que ele não pensa em se afastar do PMDB, como ele próprio chegara a cogitar antes das eleições deste ano."Independência" Aliados de Garotinho dizem que ele não pretende atrapalhar a aproximação de Cabral com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem fez ferrenha oposição. Ele também não vai articular contra a participação do PMDB na coalizão do segundo mandato de Lula. Segundo seus colaboradores, Garotinho quer apenas demarcar sua "independência"."Garotinho não quer atrapalhar nada. Vai continuar tendo uma postura de independência", disse o deputado federal eleito Geraldo Pudim, afilhado político do ex-governador. "Ele nunca quis sair do PMDB, apenas admitiu que se tivesse saído lá trás poderia ter se candidatado à Presidência por outro partido". "Houve muita especulação, mas Garotinho nunca falou seriamente em sair do partido", disse Luiz Fernando Pezão, vice-governador eleito, indicado para a chapa de Cabral por Garotinho. Afastado da máquina estadual em 2007, o casal Garotinho voltará à residência da família em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, mas vai manter um apartamento na capital. Garotinho pretende continuar sua atividade partidária e Rosinha terá um programa de entrevistas numa TV local. Durante a convenção, os dois refutaram o temor da equipe de transição de Cabral de que não haverá recursos no caixa do governo para o pagamento dos salários dos servidores na primeira semana de janeiro. Garotinho voltou a atribuir à aprovação do governo da mulher o sucesso eleitoral de Cabral e das bancadas federal e estadual do partido, que reuniram o maior número de eleitos entre as legendas no Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.