Garotinho continua candidato, pelo menos até convenção

O pré-candidato do PMDB à Presidência da República, Anthony Garotinho, garantiu que manterá a própria candidatura apesar da manutenção da verticalização pelo STF. Isso pelo menos até a realização da convenção do partido, prevista para o mês de junho. "Eu sei que estou diante de adversários poderosos (referindo-se aos correligionários José Sarney e Renan Calheiros), mas eu não sou de jogar a toalha e vou até o fim", afirmou durante o programa Canal Livre, da TV Bandeirantes. "Eu vou até a convenção, ninguém vai me matar de véspera." Otimista, ele previu que o partido decidirá pela manutenção da candidatura dele, mas concordou em analisar a possibilidade de uma derrota. "Será a terceira eleição sem candidato próprio, em 12 anos", lamentou. "Se o PMDB não apresenta candidato, ele vai sumindo do imaginário popular."Anthony Garotinho queixou-se do tratamento que vem recebendo da imprensa, particularmente nos noticiários televisivos. "À exceção da Bandeirantes, do SBT e de alguns outros veículos menores, a campanha parece que já definiu que só tem dois candidatos", afirmou referindo-se à polarização entre Lula e Geraldo Alckmin. "Isso não pode, isso fere o princípio democrático e a legislação eleitoral", prosseguiu. "O jornal ´O Globo´ se tornou uma espécie de panfleto contra mim no Rio de Janeiro, enquanto ignoram completamente a governadora Rosinha." Ele reclamou tratamento igualitário, pelo menos até a realização da convenção do partido. "Até que a convenção diga que o PMDB não tem candidato, até lá tem um candidato", ponderou. "E ele tem que ser tratado com o mesmo respeito dos outros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.