Garotinho considera viável ação conjunta entre Estados

O secretário de Segurança Pública e ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PMDB) considerou "perfeitamente viável" a proposta do governador Geraldo Alckmin (PSDB) de uma ação conjunta de combate a violência envolvendo os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. "A idéia é boa. Nosso espírito é de cooperação, não de competição", disse Garotinho ontem. O secretário lembrou que a idéia de cooperação entre os três Estados foi apresentada pela governadora Rosinha Matheus, sua mulher, durante um seminário realizado no Rio, há um mês. Garotinho voltou a reclamar da demora do governo federal na liberação de R$ 40 milhões para serem investidos no combate ao crime no Rio de Janeiro. "Até agora não recebemos nem um real para a segurança. São Paulo também não recebeu nada. A prefeitura de São Paulo recebeu. Não quero acreditar que um assunto tão relevante como a segurança pública esteja sendo partidarizado. Se isto for verdade, daqui apouco todos vão querer morar em lugares administrados pelo PT", disse o secretário. Reportagem do Estado mostrou ontem a queixa de políticos da oposição de que a prefeitura de São Paulo tem recebido mais recursos federais, inclusive para segurança, do que vários Estados."Bonde" - No dia seguinte à ação de uma quadrilha que percorreu quatro bairros do subúrbio carioca, matou três pessoas e feriu quatro, Garotinho afirmou que a situação na cidade "não é de descontrole". Na tarde de sábado, o grupo de seis traficantes matou um rapaz, Luciano Almeida, de 28 anos, durante uma falsa blitz, em Jacarepaguá, na zona oeste. Depois, em Cavalcanti (zona norte), matou o policial federal Valdeir Carreira Silva, de 42 anos, e o segurança Antônio Carlos Ribeiro Costa, de 47."Fatos como esses de Jacarepaguá ocorrem há muito tempo. A intensidade tem diminuído, mas acabar é muito difícil. Numa cidade como o Rio, não dá para querer que não tenha um incidente. O importante é que hoje não vivemos uma situação de descontrole", afirmou o secretário, que foi a governadora ao culto da Igreja Presbiteriana Luz do Mundo, em Laranjeiras, zona sul.Segundo o secretário, 600 pontos da cidade serão atingidos pela Operação Segurança Máxima, que começou há uma semana e a partir de hoje contará com a presença da Polícia Federal, além das polícias Militar e Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.