Garotinho compara Lula a Collor

O governador do Rio, Anthony Garotinho (PSB), comparou, hoje, o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, ao ex-presidente Fernando Collor de Mello. A comparação foi uma resposta às declarações dadas por Lula, anteontem, de que o governo e seus adversários estariam querendo criar um "clima de terrorismo", ao antecipar o debate em torno de uma agenda econômica mínima numa eventual vitória do PT em 2002. "Se vai votar num candidato que não pode dizer as coisas agora, fica parecendo o Collor que falava que não iria confiscar a poupança e, no fim, confiscou. Acho que o candidato tem que dizer antes da eleição tudo o que ele vai fazer", disse Garotinho, que foi lançado pré-candidato à Presidência da República, pela direção nacional do PSB. O governador do Rio, que concedeu entrevista no Palácio Guanabara, afirmou que a agenda econômica alternativa do PT, apresentada pelo deputado Aloizio Mercadante (PT-SP), é "inconsistente". Segundo Garotinho, Mercadante toca superficialmente no que, para ele, seria o principal problema brasileira: a redução das taxas de juros. "Eu chego à conclusão que o programa do PT para o Brasil desmonstra que eles não estão preparados para assumir a administração federal", disse. Para o governador, o PT está buscando, cada vez mais, se "tornar um partido palatável ao modelo econômico". Falando já como candidato a presidente, o socialista afirmou que, em seu eventual governo, Furnas não seria privatizada e que também buscaria um "choque de créditos". "O que o Brasil precisa é de um choque de créditos, para atender a agricultura, o cidadão comum, a indústria e o comércio", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.