Garotinho ataca Ciro, FHC e PSDB

As recentes denúncias sobre o Caso Marka deram o tom dos discursos proferidos durante passagem da cúpula nacional do PSB, hoje, por Fortaleza. O governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, negou estar em campanha à Presidência da República, mas comportou-se como candidato. Acusou Fernando Henrique de governar apenas para os banqueiros; disse que o PSDB não é só o partido ?do apagão e da corrupção?, como também é o partido das oligarquias; acusou o ex-ministro Ciro Gomes (PPS) de fazer "falsa oposição" e de "iludir o povo com meias palavras"; e, por fim, distribuiu autógrafos. "Em cinco anos do governo Fernando Henrique, o sistema financeiro recebeu, só de juros, R$ 500 bilhões", atacou Garotinho. "No Ceará, tem candidato à Presidência da República que é oposição ao governo, mas não é oposição ao sistema econômico que sustenta o governo", discursou o governador carioca, referindo-se ao ex-ministro Ciro Gomes, candidato à Presidência. Garotinho chamou de "falácia" as declarações do ministro da Fazenda, Pedro Malan, que afirmou serem sólidos os fundamentos da economia brasileira. "Que fundamentos são esses? Temos déficit na balança comercial, temos déficit na balança de pagamentos", apontou. O governador João Capiberibe (AP), que assim como Garotinho já se lançou pré-candidato à Presidência pelo PSB, disse que Fernando Henrique governa apenas a metade do Brasil. "A outra metade quem governa é o FMI, através do Banco Central, que coloca dinheiro na mão de banqueiro ladrão", disparou. Além deles, estiveram em Fortaleza, o presidente do PSB, Miguel Arraes, a ex-prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, e o governador Ronaldo Lessa (AL).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.