Garotinho acusa Cabral de ´perseguição´ no PMDB

O presidente do PMDB fluminense, Anthony Garotinho, acusou nesta terça-feira, 13, o grupo ligado ao governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) de "perseguição" por tentar impedi-lo de integrar a nova Executiva Nacional do partido, eleita na convenção do último domingo. Em aberta divergência com Cabral Filho, o peemedebista lembrou que teve apoio de outras direções contra o que chamou de "manobra política" dos adversários. O ex-governador entrou na Executiva em vaga da seção da legenda no Rio Grande do Norte, a partir de articulação do líder na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). O lugar do Rio ficou com o deputado Nelson Bornier."Não havia motivo nenhum para o presidente do PMDB do Rio de Janeiro não integrar a Executiva, a não ser a vaidade do governador", afirmou Garotinho, lembrando que 24 direções estaduais apresentaram moção em seu apoio. "Prevaleceu a maioria dos diretórios que viram que foi perseguição."Garotinho também justificou o discurso que fez na convenção, de apoio ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem até então fazia oposição. "O partido tomou uma decisão que foi majoritária", justificou. "Mas, como o PMDB não tem compromisso com o errado, quando tiver que discordar, vai discordar." Como exemplo, Garotinho lembrou a questão do uso do FGTS para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que foi criticada por supostamente não dar todas as garantias aos trabalhadores contra eventuais perdas. "Quando for para o bem do País, o PMDB terá total liberdade para apoiar o Lula."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.