Garimpeiros ameaçam invadir Serra Pelada

Cerca de dez mil garimpeiros acampados em Curionópolis e doze mil moradores do garimpo de Serra Pelada, no sul do Pará, estão à beira de uma confronto de graves proporções, depois que o Congresso Nacional decidiu reabrir o garimpo à lavra manual, na semana passada. Nesta quinta-feira, os moradores de Serra Pelada, também garimpeiros que se acham com direitos adquiridos sobre a área, alegando que vivem no local desde o fechamento da cava de garimpagem em 1989, decidiram bloquear a estrada de acesso ao garimpo, construindo barricadas e derrubando uma ponte de madeira. Eles dizem que fizeram isso para impedir a invasão da área. O clima está tenso há dois dias na região. Os cerca de dez policiais militares que atuam no destacamento da PM emSerra Pelada pediram reforço, justificando não terem condições desegurar a multidão se os dez mil garimpeiros acampados emCurionópolis, a 35 km do garimpo, resolverem ocupar o local. Um dos líderes dos garimpeiros, Luiz da Mata, esteve reunido em Belém com o governador Almir Gabriel (PSDB), pedindo a interferência dele para evitar um "banho de sangue" em SerraPelada. O governador determinou à Polícia Militar que reforce asegurança no garimpo e na cidade de Cuirionópolis. Luiz da Mata disse ao governador que os atuais dirigentes da Cooperativa de Garimpeiros devem ser destituídos do cargo, porque estariam se apropriando de recursos da entidade. O senador Edison Lobão (PFL-MA) foi recebido com festa em Marabá por milhares de garimpeiros. Ele entregou aos trabalhadores cópia do decreto legislativo aprovado pelo Congresso Nacional, que retira da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e devolve à Cooperativa dos Garimpeiros a posse de uma área de 100 hectares de Serra Pelada. "O garimpo é de vocês e ninguém mais vai tirar vocês de lá ", resumiu Lobão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.