Garibaldi nega acordo entre PMDB-PT para Senado e Câmara

Declaração se deve à polêmica sobre a possiblidade de o PMDB presidir as duas Casas do Congresso

Agência Brasil

22 de janeiro de 2009 | 15h25

O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), disse nesta quinta-feira, 22, que não foi firmado acordo para garantir que PMDB e PT se alternassem na presidência do Senado e da Câmara. "Não houve reconhecimento de acordo e em hora nenhuma ele prosperou", disse.   A declaração se deve à polêmica sobre a possiblidade de o PMDB presidir as duas Casas do Congresso Nacional: na Câmara, com Michel Temer, e no Senado, com José Sarney. O PT alega que houve o acordo há dois anos na Câmara, quando o atual presidente, Arlindo Chinalgia (SP), foi eleito. "O entendimento é de que quem tem a maior bancada, preside a Casa. As duas Casas têm uma autonomia muito grande. E foi o que se viu", disse Garibaldi.   Ele se encontrou  com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes. "Foi uma visita de cortesia e de despedida", disse.   Garibalidi Alves Filho deve encerrar seu mandado frente à presidência da Casa no início da próxima sessão legislativa ordinária, em 2 de fevereiro (uma segunda-feira), quando serão eleitas as duas Mesas Diretoras, antes do reinício dos trabalhos legislativos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.