Garibaldi não ouvirá Mesa para decidir se convoca Dilma

Embora seja do partido da base do governo, presidente do Senado nega favorecimento na hora de decidir

Rosa Costa, de O Estado de S. Paulo,

02 de abril de 2008 | 11h28

O presidente do Senado, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), afirmou nesta quarta-feira, 2, que não precisará consultar os demais integrantes da Mesa Diretora para decidir qual encaminhamento dará aos requerimentos de convocação da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, apresentados pelo líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM). "Neste caso, por ser um caso específico, o presidente (do Senado) representa o Poder Legislativo e não precisará levar os requerimentos à Mesa", justificou Garibaldi. Veja também: Governo usa 'rolo compressor' e oposição ameaça com nova CPIOposição não dá trégua e quer enquadrar Dilma na ProcuradoriaCPI terá dados que complicam ministros de Lula e FHCDocumento do TCU não sustenta versão sobre 'banco de dados' CPI dos cartões: quem ganha e quem perde?  Entenda a crise dos cartões corporativos  Virgílio entrou com os requerimentos para que Dilma preste esclarecimentos no plenário sobre o levantamento dos gastos com cartões corporativos do governo Fernando Henrique Cardoso. Em outros dois pedidos, o senador pede que a ministra compareça à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e à Comissão de Fiscalização e Controle. Embora seja do partido aliado do governo, Garibaldi nega favorecimento na decisão sobre a convocação de Dilma. O presidente do Senado informou que, depois de protocolados os requerimentos, dará a eles o encaminhamento previsto na Constituição e no Regimento do Senado. "Ninguém pensa que eu vá dar uma resposta que não seja validada na lei", afirmou. A primeira coisa a fazer, assim que os requerimentos forem protocolados, disse, será ouvir a Consultoria Jurídica do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.