Garibaldi diz que terá de deixar relatoria se CPI for prorrogada

O relator da CPI dos Bingos, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) disse nesta terça-feira que se as investigações forem prorrogadas por mais 120 dias na comissão, ele terá de deixar a relatoria para se dedicar à campanha pelo governo de seu Estado. "Vou levar este problema para discussão na CPI, se houver necessidade de prorrogação. Não quero abandonar o trabalho de maneira alguma, mas tenho que cumprir um dever político. É um problema de candidato", afirmou Garibaldi. A possibilidade de prorrogação da CPI foi levantada pelo presidente da comissão, Efraim Morais (PFL-PB) como uma resposta ao movimento dos governistas da CPI para impedir a aprovação do relatório de Garibaldi. O relator disse que receberá o relatório da equipe técnica da CPI na quinta-feira e que depois de estudar toda documentação vai apresentá-lo ao plenário da comissão na quarta-feira da próxima semana. Para o relator, é possível haver uma negociação com os governistas, mas não aceitará a retirada de nomes que considera que devem ser mais investigados ou indiciados pelo Ministério Público. "Qualquer negociação pode existir, desde que não traga constrangimento para o relator. Essa CPI não pode terminar em pizza, não pode terminar no fim do mundo", disse Garibaldi, numa referência ao apelido da comissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.