Garibaldi diz que pôs fim à 'permissividade' no Senado

O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), disse hoje que a demissão do advogado-geral da Casa, Alberto Cascais, representa "o fim de um tempo de muita permissividade no Senado". Garibaldi justificou a demissão ao constatar que o seu parecer dando sobrevida ao nepotismo foi elaborado a partir de normas para enfrentar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), e não a súmula aprovada. "O meu entendimento é que ele não agiu propriamente de má-fé. Ele interpretou o pensamento do STF e eu não estava esperando isso. Eu estava esperando que ele fizesse um conjunto de normas para facilitar o cumprimento da súmula do Supremo."Garibaldi reconheceu que tanto ele como a Mesa do Senado erraram ao aprovar o parecer. "Nós nos equivocamos. Eu pensei que ele estava fazendo (o parecer) de acordo com a Súmula e ele depois me disse que não, que tinha derivado para outras normas", disse o presidente da Casa. "E aí eu disse: ''Não podemos mais, nós estamos diante de uma decisão do Supremo. Não adianta você querer enfrentar o Supremo em matéria de legalidade e constitucionalidade''".

TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

22 de outubro de 2008 | 20h21

Tudo o que sabemos sobre:
nepotismoSenadoGaribaldi AlvesSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.