Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Garibaldi devolve a Jucá requerimento de CPI dos cartões

A Mesa, alertada por democrata, confirmou que trechos escritos manualmente foram acrescentados ao texto

Cida Fontes, de O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2008 | 19h12

O requerimento de criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para o Senado investigar uso irregular de cartões corporativos do governo federal foi devolvido pelo presidente da Casa, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), ao seu autor, o líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR). O requerimento foi protocolado na Mesa do Senado na última quarta-feira.   Veja também:    Entenda o que são os cartões corporativos do governo  OAB quer investigar uso de cartão corporativo nos Estados Governo quer indicar aliados em postos-chave da CPI dos cartões  Tucano inicia ofensiva pela CPI mista dos cartões  Líder do governo protocola pedido de CPI dos cartões  Após denúncia, governo publica mudanças para cartões   A Mesa, alertada pelo senador Heráclito Fortes (DEM-PI), confirmou que trechos escritos manualmente foram acrescentados ao texto do requerimento. Agora, Jucá terá que redigir o documento outra vez e coletar novamente as assinaturas, previu Garibaldi, mas disse também que outra solução pode ser viável: o líder do governo conversaria com cada um dos senadores que subscreveu o requerimento e pediria a concordância deles com os trechos acrescentados.   Esses trechos informam o tempo de duração previsto para a CPI (90 dias), o total de integrantes (11) e seu orçamento (R$ 100 mil).   Garibaldi, apesar da rejeição do documento, disse não acreditar que o problema vá atrasar a instalação da comissão. Ele informou que pretende, em reunião com os líderes partidários na terça-feira (12), pedir que indiquem os representantes dos partidos na CPI. O presidente do Senado acrescentou que, se possível, a leitura do requerimento em plenário será feita ainda na terça-feira. Depois da leitura, os líderes terão, pelo Regimento Interno do Senado, cinco dias para indicar os representantes dos partidos na CPI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.