Garibaldi considera inviável duas CPIs para investigar cartões

O presidente do Senado, GaribaldiAlves (PMDN-RN) afirmou nesta sexta-feira que duas CPIs com omesmo propósito de investigar irregularidades nos cartõescorporativos do governo federal são inviáveis. "Uma CPI não dá certo, duas então pior ainda", disseGaribaldi a jornalistas antes de participar de almoço comempresários do setor de serviços. Em março, foi criada CPI mista para investigar denúncias deuso irregular dos cartões por integrantes do governo de LuizInácio Lula da Silva. Os aliado derrubaram a convocação devários integrantes do governo, o que levou a oposição a criaruma CPI apenas no Senado, onde a maioria do governo é maisfrágil. Nessa semana, Garibaldi leu o requerimento da CPI noSenado, que pode ser instalada semana que vem. "Instalar, instala, mas não sei se vai muito adiante. Creioque pode até se pensar em duas CPIs, que levariam a umainvestigação mais consistente, mas é só aparência, porque vaiter um certo tumulto. Uma esvazia a outra", afirmou Garibaldi,considerando que a nova CPI está "fadada a não ter êxito" emfunção da radicalização entre governo e oposição. Segundo o presidente do Senado, o ideal seria uma fusão dasduas CPIs por meio de um acordo. Garibaldi, no entanto, nãoacredita na possibilidade de um entendimento para isso.(Reportagem de Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.