Garibaldi apela e oposição decide fazer 'obstrução branca'

PSDB e DEM protestam contra tentativa do governo de manter alidados em postos-chave da CPI dos cartões

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo e Andréia Sadi, do estadao.com.br

13 de fevereiro de 2008 | 13h28

O presidente do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN), se reuniu nesta quarta-feira, 13, com líderes da oposição e fez um "apelo" para que as votações no Senado não fossem paralisadas por completo. Em resposta, DEM e PSDB decidiram fazer uma "obstrução branca" nesta quarta, o que significa votar apenas as redações finais de projetos de lei já aprovados. A atitude dos oposicionistas é uma represália à atitude do governo de comandar a CPI mista dos cartões corporativos.   Veja também:   Entenda a crise dos cartões corporativos  Briga por comando de CPI ameaça parar Senado Governo indica aliados para postos da CPI dos cartões PSDB diz que não vai investigar família de Lula  Após denúncia, governo publica mudanças para cartões    Ainda na reunião, Garibaldi se comprometeu com os líderes do PSDB e do DEM a intervir junto ao Palácio do Planalto para que o governo aceite compartilhar com a oposição o comando da CPI. "Primeiro vou conversar com os líderes do governo (no Senado, Romero Jucá e Valdir Raupp, do PMDB) e depois irei com essa proposta ao comando político do governo", disse. Ele não descartou a possibilidade de conversar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o assunto.   Também ficou decidido que na semana que vem haverá sessão do Congresso Nacional para apreciar os mais de 800 vetos presidenciais a propostas já votadas ao longo dos últimos anos.   Segundo a assessoria do presidente do Senado, Garibaldi não quer que as discussões sobre a relatoria e presidência da CPI dos Cartões Corporativos "interfira" nos trabalhos da Casa.    Na última terça, o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, disse que dificilmente o PMDB e o PT abrirão mão dos cargos de presidente e relator da CPI mista dos cartões corporativos.   Embora tenha dito que é um problema do Congresso, o ministro não demonstrou disposição do governo em negociar com a oposição o comando da CPI. Múcio lembrou que o regimento dá aos dois maiores partidos a presidência e a relatoria da Comissão.   Raupp anunciou na manhã de terça que o presidente da CPI será o senador Neuto de Conto (PMDB-SC). Para a relatoria está cotado o deputado José Eduardo Cardoso (PT-SP). Nos dois casos, estaria respeitado o princípio da proporcionalidade em que os maiores partidos ocupam os principais cargos nas CPIs.         Texto atualizado às 13h50

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoCPI dos cartões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.