Garibaldi anuncia que instalará amanhã CPI dos Cartões no Senado

PSDB e DEM preparam batalha jurídica no STF para quebrar sigilo de gastos do presidente Lula e de Marisa

Expedito Filho, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 de abril de 2008 | 00h00

O presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), garantiu ontem que vai instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) exclusiva da Casa para investigar os gastos com cartões corporativos e o vazamento de um dossiê que teria sido montado na Casa Civil sobre as despesas feitas no governo Fernando Henrique Cardoso. "Vou ler (o requerimento) e colaborar para instalar a comissão. Não se deve segurar CPI. Quem tiver de morrer de inanição que morra. Quem tiver o destino fatal que termine de se acabar", afirmou Garibaldi ao Estado.Ele marcou para amanhã a leitura do requerimento da oposição. "Eu não iria me desmoralizar deixando de fazer a leitura", disse. Garibaldi se manifestou contrário às manobras para evitar a criação da nova CPI, que vai concorrer com a comissão mista de deputados e senadores instalada no dia 12 de março, mas controlada pela base governista. Enquanto na Câmara a base do governo tem quase 380 dos 513 deputados (74%), no Senado o equilíbrio é maior: independentemente das legendas, a divisão costuma ser de 47 senadores governistas (58%) contra pelo menos 34 que acompanham a oposição. BATALHA JUDICIALO presidente do Senado e parlamentares da oposição temem que as investigações sobre a quebra do sigilo dos gastos com cartão corporativo efetuados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeira-dama Marisa Letícia saiam da órbita do Legislativo e se transformem em uma batalha judicial no Supremo Tribunal Federal (STF). "O ideal é que isso se esgote no Parlamento. Mas, com esse clima de choque político, a discussão acabará nas portas dos tribunais", disse Garibaldi."Vai ser tumultuado. O governo se aquartelou na CPI mista, onde tem uma maioria confortável. No Senado, a diferença é menor e pode ter uma participação efetiva da oposição", avaliou o presidente da Casa.Os temores sobre a batalha judicial têm fundamento. O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) informou que a oposição vai entrar com uma ação no STF para pedir a abertura dos gastos efetuados com cartão corporativo pelo presidente Lula e pela primeira-dama Marisa Letícia. Na opinião dele, esses gastos não podem ser qualificados como de segurança nacional: "São mordomias, e não gastos de segurança. Houve abuso, e o governo tem de entregar os documentos com todas as despesas realizadas", cobrou o senador.ESTRATÉGIAA estratégia da oposição passa pelo esgotamento da discussão dentro do Congresso. Na CPI - ou CPIs -, os oposicionistas prometem recolocar em pauta a necessidade de abrir o sigilo dos cartões corporativos. Se não obtiverem êxito, recorrerão ao Supremo. "Se nós não conseguirmos pela via normal, que é a CPI, vamos entrar com uma ação no Supremo", garantiu Demóstenes. Posição semelhante vem sendo articulada pelos líderes do PSDB. Um parlamentar revelou que o partido já trabalha de forma reservada uma ação para pedir a quebra do sigilo dos gastos de Lula e Marisa. Demóstenes lembrou que "a guerra administrativa" é para que os atuais ocupantes do poder mostrem como gastaram os recursos. Lembrou que, se se confirmar que o dossiê com gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso foi mesmo feito dentro do Palácio do Planalto, estará configurada a quebra de sigilo dos dados. Para controlar o novo foco de investigações no Senado, Lula receberá amanhã no Planalto a bancada do PDT no Senado - que conta com quatro parlamentares. O líder do partido, Jefferson Péres (AM), disse que, enquanto o Planalto continuar na estratégia de blindar a ministra Dilma Rousseff, a oposição vai acirrar os ânimos para desgastar o governo. "Pior é não ir e ficar exposto", avaliou Péres, deixando em aberto a possibilidade de o PDT apoiar a CPI exclusiva do Senado. COLABOROU CIDA FONTES Respostas de participantes do fórum: Quem ganha e quem perde com o funcionamento da CPI do Cartões?"Quem perde é o PSDB e o DEM. O que essa gentalha tem a esconder? Por que privilegiam tanto o corrupto FHC?"dirkdegroot@estadao.com.br"O povo ganha. Se levada com seriedade, não resta dúvida de que o povo ganha. O uso abusivo do cartão corporativo deve ser apurado sim, inclusive do presidente da República e respectivos familiares. Não se pode usar o dinheiro público em proveito próprio, além do permitido por lei. O povo precisa acordar para a realidade, deixar de ser marionete e imediatista. Em 2010, devemos fazer valer a força do nosso voto, dando um basta a esse estado de corrupção desenfreada, verdadeira vergonha nacional."fasalles@estadao.com.br"Perdem sempre os mesmos: nós! É incrível o enfoque dado aos vergonhosos assuntos políticos... se parecem mais com revistas de fofoca... é sempre aquela pauta descomprometida com o Brasil (ministro disse, deputada falou, Lula se defendeu acusando). Nunca há o foco no principal... a população sempre perde."fbr77@estadao.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.