Garib é acusado de corromper testemunha

O ex-vereador e deputado estadual cassado Hanna Garib foi denunciado nesta sexta-feira pelo Ministério Público Estadual (MPE) na 7ª Vara Criminal Central, acusado de corrupção de testemunha.Garib, segundo os promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), ofereceu dinheiro, uma casa e serviços de um advogado para que testemunhas alterassem depoimentos no processo em que é acusado de chefiar a máfia de fiscais da Administração Regional da Sé. Pela suposta corrupção, o ex-vereador ficou preso por cerca de quatro meses - de novembro a março. Na denúncia oferecida nesta sexta, Garib foi enquadrado no artigo 343 do Código Penal. Está sujeito a pena de 2 a 6 anos de prisão, porque a suposta corrupção de testemunha teria como agravante o fato de produzir efeitos em processo penal. Garib ainda escapou de ser enquadrado na Lei 10.268, de agosto, que aumentou a pena mínima do crime de corrupção de testemunha para 3 anos de prisão. A nova lei só pode produzir efeitos em casos ocorridos após publicação. Segundo o promotor Enilson David Komono, Garib ofereceu os serviços de um advogado ao comerciante Hamurabi Pereira de Oliveira, dono de uma fábrica no Brás, R$ 80 mil para o camelô José Ricardo Teixeira da Silva, o Alemão, e uma casa para o office-boy Daniel Ferreira de Faria.Em troca, teriam de voltar atrás em seus depoimentos já prestados e inocentar Garib. Outras seis pessoas que trabalhavam com o ex-vereador também foram denunciadas pelo MPE. O advogado de Garib, Carlos Ely Eluf, disse que a denúncia do MPE é inépta. "Não existe comprovação alguma de que isso tenha ocorrido", afirmou o defensor. Ainda segundo ele, o objetivo da denúncia do MPE é "denegrir a imagem" de seu cliente.O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar na próxima semana mandado de segurança impetrado por Garib, pelo qual tenta reaver o cargo de deputado estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.