Garcia nega crise na relação com Chile se PT for eleito

Garcia nega crise na relação com Chile se PT for eleito

O assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, disse hoje que o fato de o novo presidente do Chile, Sebastián Piñera, representar forças políticas conservadoras e a pré-candidata petista Dilma Rousseff ser de centro-esquerda, não deverá atrapalhar as relações entre os dois países, caso a ex-ministra vença as próximas eleições para sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

09 de abril de 2010 | 18h47

"A política externa brasileira não é uma política que esteja marcada por nenhum traço ideológico. Ela está marcada, no caso da América do Sul, por duas questões fundamentais. Por um lado, defesa dos interesses brasileiros e nacionais do País. Por outro, defesa intransigente dos processos de integração", declarou Garcia, no Itamaraty, após almoço com o mandatário chileno. Ele acrescentou que acredita que "a melhor maneira de defender o interesse nacional é propiciar a integração da região".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.