Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Ganhei ou perdi? Acho que fiquei neutro', diz Carlos Manato sobre motim

Deputado federal nega ter incentivado o movimento que parou a Polícia Militar do Espírito Santo no início do mês

Adriana Fernandes, André Borges e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2017 | 05h00

O deputado federal Carlos Manato (SD-ES) negou ao Estado ter incentivado o movimento que parou a Polícia Militar do Espírito Santo, disse que ficou neutro tanto antes quanto durante os protestos. Afirmou ainda que não lucrou politicamente com a crise na segurança. Defensor do armamento da população, ele apresentou projeto de anistia dos policiais e mostrou uma mensagem por WhatsApp em que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) confirma a aliança nas próximas eleições. Manato é pré-candidato ao governo do Espírito Santo, hoje comandado pelo peemedebista Paulo Hartung.

Como avalia o fato de algumas pessoas que participaram do movimento, como a Izabella Costa e o Capitão Assumção, serem próximas ao senhor?

O Capitão Assumção é policial militar aposentado. Ele tem uma ligação muito grande com a polícia e todos os movimentos, porque é candidato a deputado federal de novo. O Matias (o empresário Walter Matias Lopes) me ajuda nas redes sociais, nas minhas coisas. O que eu sempre converso com eles: ‘Se vocês cometerem algum crime, assumam e respondam por ele. É problema de vocês. Cada um vai pagar o preço da sua irresponsabilidade.’ 

Mas o fato de ter uma pessoa no protesto em frente a um quartel, como a Izabella, que trabalha em seu gabinete, não pode ser interpretado como um envolvimento do senhor? 

Zero envolvimento. Nunca liguei ou pedi para eles deixarem de fazer. A Izabella é esposa do Matias. Ela trabalha para mim em Vitória, no Espírito Santo. Cuida de redes sociais.

Na sua opinião, essa rede se aproveitou politicamente da crise para levantar o nome de Bolsonaro e as bandeiras dele?

Ele (Bolsonaro) não foi lá. Qualquer coisa que ele faz tem no mínimo 1,5 milhão de interações. Ele tem dois celulares, que não param, tamanha a quantidade de (mensagens no) WhatsApp.

Como o senhor viu a exploração política da crise no ES? 

Eu ganhei ou perdi? Eu acho que eu fiquei neutro. O Capitão Assumção é que levou toda a glória, os votos vão cair nele. Não em mim. Tive um desgaste natural da sociedade civil organizada que não concordou com a posição do projeto (de anistia). De cem (pessoas), entre e-mail, WhatsApps, Facebook, 80 concordaram com minha atitude e 20, não. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.