Galeria da Câmara 'esquece' ex-presidentes

Painel no Salão Nobre não contém as fotos de Henrique Eduardo Alves, Eduardo Cunha e Waldir Maranhão

Felipe Frazão e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

07 Maio 2018 | 05h02

BRASÍLIA - Alvos de denúncias por envolvimento em corrupção, o deputado cassado Eduardo Cunha (RJ) e o ex-deputado Henrique Eduardo Alves (RN), ambos do MDB, não integram a galeria histórica dos ex-presidentes da Câmara no período republicano, exposta em um espaço nobre do Salão Verde. 

O painel também não contempla o sucessor de Cunha no cargo, Waldir Maranhão (hoje no PSDB), que ocupou o cargo entre maio e junho de 2016. O petista Marco Maia é o último com direito a foto no espaço apresentado aos visitantes como memória da Casa.

Deputado por 11 mandatos, Alves ocupou a presidência da Casa entre 2013 e 2014. Em 2016, foi citado em depoimentos que indicavam o pagamento de propina ao emedebista, principalmente durante a construção da Arena das Dunas, em Natal. Alves foi preso preventivamente em junho de 2017 no âmbito da Operação Manus, e, na quinta-feira passada, ganhou o direito de ir para a prisão domiciliar.

Cunha estava em seu quarto mandato quando sucedeu Alves na presidência da Câmara. Ficou no cargo de fevereiro de 2015 a maio de 2016. Em setembro do mesmo ano, foi cassado pelo plenário da Casa por ter mentido à CPI da Petrobrás sobre a existência de contas no exterior. Sem o foro privilegiado, foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 14 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ele cumpre pena no Complexo Médico Penal de Pinhais, no Paraná, desde outubro de 2016. 

Rodrigo Maia (DEM-RJ) assumiu o cargo em julho de 2016, e, desde então, não atualizou as fotografias do mural dos ex-presidentes. A omissão não se repete no site da Câmara, que destaca a passagem de Alves, Cunha e Maranhão pelo cargo. 

A lista dos ex-mandatários do período pós-proclamação da República começa com o mineiro João da Mata Machado, em 1891, menciona os deputados que comandaram a Casa durante o período da ditadura militar e destaca duas fotos dos emedebistas Ulysses Guimarães e Michel Temer, que foram presidentes por duas vezes, mas em momentos diferentes.

Fotos de parlamentares envolvidos em escândalos, como o petista João Paulo Cunha (SP) – que cumpriu pena em regime fechado por participação no mensalão – e, mais recentemente, o senador tucano Aécio Neves (MG), réu na Lava Jato, também estão na parede do Salão Nobre. 

A assessoria de imprensa da Câmara disse que a galeria de ex-presidentes não foi atualizada em razão de problemas técnicos. “A impressora especial que faz a reprodução das fotos está com defeito. Já há um processo de aquisição da peça necessária ao funcionamento da máquina para reposição, mas ainda não foi concluído”, informou a Câmara. A Casa não deu prazo para inclusão das imagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.