Gafes de alto escalão

Os medalhões do príncipeNa visita da rainha Elizabeth II ao Brasil, nos anos 60, seu marido, o príncipe Philip, foi apresentado a um almirante brasileiro que tinha o peito cheio de medalhas. O príncipe perguntou: "O almirante ganhou essas medalhas em batalhas no lago de Brasília?" O almirante respondeu: "Não." E, olhando o peito de Philip também coberto de medalhas: "Mas também não as ganhei na cama..."O médico do chancelerAo partir para uma visita oficial à África, o chanceler Mário Gibson Barboza percebeu que só havia um único negro na comitiva. Os auxiliares correram as listas e a muito custo acharam um médico, Jair Santos, de um departamento em Brasília. O dr. Jair foi convocado e viajou - mas não lhe disseram o motivo de sua presença. Ao chegar à República de Camarões, todos perfilados, ele chamou a atenção do presidente camaronês. "Qual a sua função?", pergunta este. "Sou médico do chanceler", avisa o dr. Jair. "E qual a sua especialidade?" Ele, no piloto automático: "Ginecologista."O mordomo bonitãoUm ilustre convidado da Embaixada em Washington comentou com o embaixador Roberto Campos sobre a má aparência do mordomo, atarracado e feio. Campos explicou: "Quando cheguei aqui havia um mordomo inglês, alto, elegante. Os convidados chegavam, cumprimentavam-no e me entregavam o chapéu. Resolvi substituí-lo."Gafes da Casa BrancaNo primeiro minuto do primeiro encontro com o presidente francês Charles de Gaulle, a primeira-dama dos EUA, Jacqueline Kennedy, atacou: "Sabe, presidente, eu sou descendente de franceses!" E de Gaulle, no ato: "Eu também." Pior foi a gafe de outra primeira-dama americana, Barbara Bush. Num banquete em Kyoto, no Japão, ela achou o Palácio Imperial muito novo e perguntou ao imperador Hirohito: "O palácio original era tão velho que desmoronou?" Hirohito, impiedoso: "Não, minha senhora. Os americanos o bombardearam."A secretária arrependida Um embaixador sul-americano, vivendo no Rio, gostava de trabalhar na biblioteca. Um dia, deu um grito e chamou o secretário, dizendo que uma jovem o havia agredido e exigia sua demissão. A bibliotecária é chamada e explica: ela subiu em uma escada para arrumar os livros quando sentiu uma mão subindo-lhe pelas pernas. Assustada, defendeu-se e deixou cair um volume da Enciclopédia Britânica na testa do embaixador. E, toda chorosa, implorava: "Senhor secretário, se eu soubesse que era o embaixador teria deixado!"Resposta ao imperadorGraça Aranha, ministro da Embaixada em Copenhague, esqueceu-se de hastear a bandeira, como era praxe, durante uma visita do imperador alemão Guilherme II. Este mandou-lhe depois uma carta em tom áspero, falando em "desrespeito imperdoável". O ministro respondeu: "Caro amigo, julgo meu dever preveni-lo de que há um miserável que, usando papel timbrado da chancelaria imperial, escreve cartas apócrifas, abusando de seu nome e imitando habilmente sua assinatura. Envio-lhe uma dessas cartas, que acabo de receber."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.