Gabeira quer investigar telefonemas entre Berzoini e Freud

O sub-relator da CPI dos Sanguessugas, deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), defendeu nesta segunda-feira que a comissão investigue as ligações dos telefones do comitê de campanha do deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), presidente licenciado do PT, para a empresa Caso Sistemas de Segurança Ltda, empresa de Freud Godoy, ex-segurança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o Estado publicou em sua edição desta segunda-feira, entre agosto e setembro há pelo menos 32 ligações do comitê do petista, em São Paulo, para a Caso. "Essas ligações são uma das questões mais importantes a serem examinadas ao lado das investigações sobre a origem do dinheiro para a compra do dossiê contra os tucanos", afirmou Gabeira. Ele observou, no entanto, que a CPI dos Sanguessugas ainda não teve acesso à quebra dos sigilos telefônicos da empresa de Godoy e de sua mulher, Simone. O deputado argumentou também que o advogado de Godoy, Augusto Botelho, explicou que a empresa Caso presta serviços de segurança ao comitê de Berzoini e as ligações são decorrentes deste contrato. "Temos de examinar isso tudo e só então tomar uma posição", disse.Ricardo Berzoini foi afastado da coordenação da campanha à reeleição do presidente Lula quando estourou o escândalo da compra do dossiê contra políticos tucanos. Freud foi apontado por Gedimar Passos, ex-integrante do núcleo de inteligência da campanha, como a pessoa no PT que mandou pagar pelo dossiê. Depois, Gedimar mudou seu depoimento, passando a isentar Freud e a afirmar que o citou por pressão do delegado da Polícia Federal Edmilson Bruno, primeiro a interrogá-lo.Algumas das 32 ligações telefônicas coincidem com um momento crucial do processo de negociação do dossiê. Há uma seqüência de seis telefonemas nos dias 11, 12 e 13 de setembro. No dia 14, de acordo com as investigações da Polícia Federal, Hamilton Lacerda, ex-assessor do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), levou ao Hotel Ibis o dinheiro destinado à compra do dossiê. O mais longo telefonema, com cinco minutos de duração, foi realizado às 11h08 do dia 13 de setembro. Outra seqüência de 13 telefonemas do comitê de Berzoini para a Caso é identificada entre os dias 21 e 29 de setembro, às vésperas do primeiro turno das eleições. No dia 29, quando Freud Godoy prestou depoimento na superintendência da Polícia Federal em São Paulo, há o registro de duas chamadas entre os dois escritórios: uma de apenas sete segundos e outra de 3 minutos e 17 segundos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.